links garimpados por aí

Leite materno turbina o QI do bebê Segundo um novo estudo, a criança amamentada possui uma variante gênica que ajuda a processar os ácidos graxos

por Nikhil Swaminathan, reproduzido do site Scientific American Brasil

A inteligência é inata ou influenciada pelo ambiente? Essa discussão está em pauta há mais de um século. Uma das questões mais recentes na batalha entre natureza x criação está o efeito do leite materno sobre o QI.

Pesquisas demonstraram que os ácidos graxos no leite humano podem influenciar o desenvolvimento cerebral. Utilizando esses dados como ponto de partida, um grupo de cientistas liderado por uma equipe do Instituto de Psiquiatria do King’s College London resolveu investigar como a constituição das crianças interage com o leite materno a ponto de afetar sua inteligência.

Os resultados, publicados no Proceedings of the National Academy of Science USA, revelam que o aleitamento materno pode turbinar o quociente de inteligência de um bebê se o recém-nascido possui uma versão específica de um gene, o FADS2 (sigla em inglês para desaturase 2 de ácido graxo), que afeta o processamento dos ácidos graxos.
“Estávamos em busca de um exemplo empírico para mostrar aos cientistas que é possível usar o ambiente como ferramenta para descobrir novos genes com efeitos importantes, incluindo doenças”, explica o co-autor do estudo Terrie Moffitt, professor de psiquiatria do King’s College. “Nossa seqüência lógica do ambiente ao marcador genético nos permitiu descobrir pela primeira vez a ligação entre o gene FADS2 e o QI, importante para a saúde da criança.”

O marcador genético a que Moffitt se refere está localizado no gene FADS2, que por sua vez apresenta duas variantes primárias. O novo estudo, que contou com 1.000 crianças neozelandesas na década de 70 (parte delas recebeu leite materno) e mais de duas mil crianças amamentadas que moravam no Reino Unido na metade da década de 90, revelou que 90% das participantes tinham pelo menos uma cópia da versão mais comum do FADS2, enquanto que 50% delas possuíam duas cópias.

Os pesquisadores descobriram que as crianças que receberam leite materno e possuíam pelo menos uma variante genética ou mais, tinham uma média de seis a sete pontos a mais no QI que aquelas que não foram amamentadas, mas tinham constituição genética similar. No entanto, o aleitamento materno não pareceu afetar as crianças (10% da população) que tinham apenas a variante menos comum. Os cientistas descartaram outros fatores, incluindo peso ao nascer e a classe social e Q.I. da mãe, pois descobriram estes que não influenciavam os resultados.

“As crianças amamentadas obtiveram uma pontuação em média 3 pontos mais alta que a população no teste de Q.I., enquanto que aquelas que não receberam leite materno ficaram com 3 pontos a menos”, explica Moffitt. Em outras palavras, o aleitamento materno levou ao ganho de alguns pontos no Q.I..

Quanto às implicações do estudo no debate natureza x criação, Linda Gottfredson, professora de educação na University of Delaware, afirma que “não se trata de natureza ou criação, mas dos genes podem tornar as pessoas mais ou menos suscetíveis a certas condições do ambiente”. Portanto, a ausência de leite materno na alimentação de bebês com uma certa predisposição genética pode ter efeitos negativos para a inteligência.

O mecanismo exato pelo qual a enzima codificada pelo FADS2 pode influenciar o Q.I. é desconhecido, mas Moffitt sugere duas alternativas. A primeira é a de que as variantes gênicas podem afetam a conversão de precursores alimentares para ácidos graxo poliinsaturados de cadeia longa, que se agregam no cérebro nos primeiros meses de vida da criança. A segunda implica que os ácidos graxo poliinsaturados de cadeia longa podem agir ou não sobre o gene propriamente dito, fazendo com que ele se ligue ou desligue, e assim afetando o percurso metabólico usado pelos ácidos.

Os autores ressaltam que, desde a época em que os participantes do estudo foram amamentados, vários fabricantes de leite para recém-nascidos começaram a adicionar suplementos de ácidos graxos aos produtos, potencialmente na tentativa de elevar o QI dos bebês.

“O problema desse estudo é que não sabemos exatamente quais são os mecanismos que o leite materno usa para aumentar o QI”, afirma Joseph Hibbeln, pesquisador clínico da Unidade de Nutrição em Psiquiatria do National Institute on Alcohol Abuse and Alcoholism. “O estudo ajuda a apontar apenas um dos mecanismos, ou seja: se seu organismo não consegue produzir ácidos graxos de maneira eficiente, é melhor beber leite materno para dar uma força para seu QI.”

Texto reproduzido do site Scientific American Brasil. (grifos nossos)

.

Acabou de sair no Blog Boa Saúde/UOL:

“Amamentar não faz os seios “caírem”, segundo especialistas
Mesmo que os benefícios da amamentação para mãe e bebê sejam inquestionáveis, algumas mulheres escolhem não amamentar com medo dos seios “caírem”. Porém, segundo estudo apresentado esta semana na conferência da Sociedade Americana de Cirurgiões Plásticos (ASPS, em inglês), a amamentação sozinha não tem nenhum impacto no formato e na aparência dos seios. Os pesquisadores da Universidade de Kentucky entrevistaram 132 mulheres com média de idade de 39 anos e que fizeram cirurgias plásticas nos seios. E, analisando histórico médico, índice de massa corporal, hábito de fumar, entre outros fatores, eles observaram que alimentar o bebê no peito não altera o formato dos seios. Segundo os autores, a “queda” está mais ligada ao hábito de fumar, ao envelhecimento, a um maior número de gestações e ao tamanho maior do sutiã antes da gravidez. (grifos nossos)

Leia aqui a notícia em inglês, direto do site da ASPS.

Viu? Agora, aquela sua vizinha já não pode dar mais essa desculpa…

.

(Re)encontramos na Folha Saúde, de dez.06, uma materinha q afirma que uma pesquisa elaborada na Austrália, com quase 1.300 mulheres, chegou à seguinte conclusão: mulheres que passam por uma anestesia peridural durante o parto têm mais dificuldade em amamentar nos primeiros dias (e tb depois). Vai ! E pense…

.

Deu na Folha de S. Paulo em 15.set.07. “Mães alimentam errado bebês, diz pesquiza”. Veja aqui (usuários UOL) ou aqui (reprodução do texto).

.

Blog (em inglês), chamado “Black Breastfeeding Blog”. Pra gente aqui não teria muito sentido uma segmentação dessas, mas nos EUA… Além disso, tem uns questionamentos (e umas pesquisas) interessantes.
Olha o link aqui.

.

Novo estudo sobre a influência da amamentação em mães com depressão pós-parto (em inglês)

Leia aqui estudo da Universidade de Leicester (UK) que fala do potencial benefício da amamentação em mães com depressão pós-parto, apontando a necessidade de mais pesquisa que refute o pensamento comum de q essas mães não devem/conseguem amamentar seus filhos.

.

Concurso fotográfico (jul.07)

A Alba, um grupo de apoio à amamentação de Barcelona, está promovendo um concurso de fotos, sob o tema amamentação na primeira hora de vida, com prêmios em dinheiro (euros!) e tudo. Leia maiores informações no site deles. Vai !

..

Animação online

Confira aqui uma animação feita pelo OGlobo Online que explica sobre a psico-fisiologia e técnica da lactação. É uma animação bem feita, didática e absolutamente esclarecedora.

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: