achados na net

bb mamando XXVI

Além da amamentação – ou o desafio da ordenha

Depoimento garimpado no aqui no Jornal Globo em Maio de 2009

Enviado por Cláudia Lamego – 24/5/2009 – 17:42

Já contei pra vocês que a minha experiência com a amamentação foi ótima. A não ser pela briga com o pediatra que receitou o Nan por alguns dias (e a lembrança desse embate, que envolveu a primeira discordância com meu marido sobre o cuidar do Francisco, me faz ter trauma do leite em pó), tudo deu certo. Eu tive leite muito rapidamente, Francisco engordou acima da média no primeiro mês, meu peito não rachou, não senti dores e o bebê foi espaçando o horário das mamadas de madrugada, até que chegou a 4 horas de intervalo no primeiro sono, e depois de 3 em 3, média que mantém até hoje e eu acho ótima. A única coisa que me chateou durante esse tempo foram os palpites, e aí me lembro de um comentário aos posts da amiga Rebecca aqui no blog: se a gente amamenta, somos criticadas, se não amamenta, somos criticadas também. Ou seja, tem palpite pra todo lado, e no meu caso era porque eu amamentava demais. Por amamentar demais, entenda-se alimentação exclusiva, sem introdução de suquinhos, chás, água ou outros complementos. A pediatra do Francisco diz que, no fundo, as pessoas invejam essa relação maravilhosa entre o bebê e a mãe, relação impenetrável para quem está de fora (inclusive o pai). Ouvi coisas do tipo: “Meus filhos tomaram leite em pé e cresceram fortes. Não sei para que você se preocupa tanto em amamentar”. Ou: “Olha, bebê que mama só no peito não aprende a mastigar depois.”. E ainda “Você ainda está dando peito pro Francisco? Eu, hein, quero ver até quando vai aguentar ficar sem dormir de madrugada”. E por aí, vai. Mas o fato é que resisti bravamente a todas as investidas contra e estou aqui, amamentando o Francisco, que completa cinco meses no próximo dia 29. Mas, como nem tudo é perfeito, vou ter que voltar a trabalhar e, para manter a amamentação exclusiva até os seis meses, como recomenda a Organização Mundial de Saúde, comecei uma nova batalha – bem mais difícil -: a ordenha para o armazenamento de leite. Há 10 dias, aluguei uma bomba elétrica na Perinatal, mas só há quatro resolvi criar coragem e começar a tentar. Bem, para começar, do meu peito não vaza mais leite como nos primeiros meses. Tanto que nem precisei usar as duas últimas caixas de protetor para seios que comprei. Francisco, que nas madrugadas mamava só num peito, agora só fica satisfeito depois que traça os dois. Daí, surge a primeira dúvida: que horas fazer a ordenha, sem correr o risco de tirar o leite que seria dele em uma próxima mamada? Seguindo o conselho da pediatra e também das Amigas do Peito (liguei e fui muito bem atendida), comecei a tirar depois que ele mama, antes da primeira dormida da noite. Só que a coisa não é tão simples. Em primeiro lugar, na primeira tentativa fiquei nervosa e deixei a bomba sugar tanto o meu peito que o bico ficou inchado e dolorido. E, mesmo assim, não saiu uma gota de leite! Pronto! Achei que não ia conseguir mais sequer dar o leite pro Francisco naquele dia, porque doía muito. Aos poucos, mais tranquila, continuei a tentar. O resultado do primeiro dia: uma hora de ordenha e 30 ml de leite. Muito pouco! Guardei na geladeira e, no dia seguinte, fiz o teste da mamadeira (porque tinha o medo de o Francisco rejeitar o bico, né?), que deu certo: Francisco deu dois goles, e em dois segundos bebeu os 30 ml. É preciso estar obstinada para continuar tentando e é o que tenho feito nos últimos dias. Segundo a pediatra, enquanto eu estiver no trabalho, cada mamadeira do Francisco precisa ter de 120 a 150 ml, no mínimo. Então, com o pouco que tenho tirado, uma média que varia de 30 a 50ml, passo o dia fazendo contas de quantas ordenhas vou precisar fazer até 5 de junho, uma sexta-feira, dia da minha volta ao trabalho. E também voltei a tomar canjica, comer mais e beber água desesperadamente, o dia e a madrugada inteira, pra produzir mais leite… As pessoas me perguntam: por que o sacrifício? Porque resolvi encarar o desafio de manter a amamentação exclusiva. Não sei se vou conseguir, mas dormirei mais sossegada sabendo que tenho feito, até aqui, o melhor que posso para o meu filho. E vocês, já passaram por essa experiência?

http://oglobo.globo.com/blogs/mae/post.asp?t=alem-da-amamentacao-ou-desafio-da-ordenha&cod_post=189251

Leia o depoimento de uma amiga querida, a Simone Montalvão. No seu blog, a Si fala de sua experiência, e ainda toca num fator muito importante na amamentação, a doação. É um relato lindo e delicado, de uma menina forte e lutadora!.

Depoimento e foto de uma mãe amamentando na cama de um hospital. Ela precisou fazer uma cirurgia de emergência, mas quis manter a amamentação do filhote de 3 meses! Vai !

.

Blog da Ana Claudia Bessa, carioca, antenada, gente-boa! Vai !

Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: