Aniversário da MATRICE !!!!

28 maio 2009

felicidade002

P A  R A B É N S, P A  R A B É N S !!!!

Pois é, três anos se passaram, foram muitas mães, leite, lágrimas (de alegria e tristeza), sextas e sábados de entrega, de todas nós.

Foi pensando nisso e com muito leite em nossos peitos e alegria em nossos corações que a Matrice gostaria de convidar todas as mães, as que amamentam e as que não amamentam mais, para o nosso bolinho.

Tragam seus pratos prediletos e ajude a fazer a festa, o bolo é por conta da Matrice.

Estará presente a equipe de filmagem do DVD de Amamentação da equipe do Gama. Aguardamos todos!

Quando? Sexta-feira dia 29 de maio

Que horas? das 13h30 às 15h30 (tradicional reunião da Matrice, cujo tema será “Padrões: padrão de peso, complemento, sono e tudo mais que encontramos”); a partir das 15h30 cortaremos o bolo.

Onde: Casa Materna. Rua Natingui, 380, Vila Madalena.

Como chegar – clique aqui

Contato: 11 96223737 – Fabiola Cassab (mãe da Paola)


histórias de amamentação

25 maio 2009

bb mamando XXVI

Histórias de amamentação sempre chegam até nós, ficamos ainda mais felizes quando chegam histórias de fontes bem improvávei. Foi o que aconteceu hoje, o site o globo publicou a seguinte história:

leia o trecho: A pediatra do Francisco diz que, no fundo, as pessoas invejam essa relação maravilhosa entre o bebê e a mãe, relação impenetrável para quem está de fora (inclusive o pai). Ouvi coisas do tipo: “Meus filhos tomaram leite em pé e cresceram fortes. Não sei para que você se preocupa tanto em amamentar”. Ou: “Olha, bebê que mama só no peito não aprende a mastigar depois.”. E ainda “Você ainda está dando peito pro Francisco? Eu, hein, quero ver até quando vai aguentar ficar sem dormir de madrugada”. E por aí, vai. Mas o fato é que resisti bravamente a todas as investidas contra e estou aqui, amamentando o Francisco, que completa cinco meses no próximo dia 29. Mas, como nem tudo é perfeito, vou ter que voltar a trabalhar e, para manter a amamentação exclusiva até os seis meses, como recomenda a Organização Mundial de Saúde, comecei uma nova batalha – bem mais difícil -: a ordenha para o armazenamento de leite. Há 10 dias, aluguei uma bomba elétrica na Perinatal, mas só há quatro resolvi criar coragem e começar a tentar. Bem, para começar, do meu peito não vaza mais leite como nos primeiros meses. Tanto que nem precisei usar as duas últimas caixas de protetor para seios que comprei. Francisco, que nas madrugadas mamava só num peito, agora só fica satisfeito depois que traça os dois. Daí, surge a primeira dúvida: que horas fazer a ordenha, sem correr o risco de tirar o leite que seria dele em uma próxima mamada? uqer ler inteira clique aqui

E viva a propagação da vida!


Um livro com cheirinho de leite

15 maio 2009

 

Pois é a Denise mandou um convite a todas as mães e nós estamos repassando!

convite

Boa tarde, mulherada!

Muito obrigada a todas que me enviaram fotos! Foi muito, mas muito difícil escolher apenas uma para a capa. A barriguda da vez é a Marisa Borsoi Ribeiro. Enfim, meu livro está pronto e o lançamento já está marcado. Anotem em suas agendas!

Lembranças fecundas: meu diário afetivo da gravidez
16 de maio, sábado, a partir das 18h
Bruxa Banguela Rock Bar
R. Porto Calvo, 571
São Caetano do Sul – SP
(atrás do fórum de SCS)

Todo o lucro arrecadado com a venda do livro será doado para a Parto do Princípio. Conto com a presença de vocês!

Bjim,

Denise Niy

 


Boletim da WABA

14 maio 2009

A WABA tem um boletim que divulga as principais informações de amamentação pelo mundo!

Mais um acabou de sair da forma. Vocês podem entrar no site, baixar o pdf e ler.

Pois é… vamos nos conectar com o mundo da WABA!

O link para baixar o boletim é:

http://www.waba.org.my/whatwedo/gims/portuguese.htm;

http://www.waba.org.my/pdf/mstfnl_V7N1_por.pdf

 

Ou clique aqui e veja o conteúdo do boletim.


Relato de uma mãe feito no dia das mães!

12 maio 2009

 

Kristal depoirmento

“Antes de engravidar eu achava que o tempo suficiente para a amamentação eram 6 meses e que depois disso o bebê já não precisava mais do meu leite. Na verdade, isso não fazia parte do meu círculo de convivência. O normal era complementar com NAN, ou leite de soja. O normal era a mãe não ter leite ‘suficiente’, era não deixar o bebê no peito para que ele não ficasse mal-acostumado.  Vendo tudo isso hoje me dá vontade até de rir dessa Kristal de algum tempo atrás.”

Gostou? Leia o depoimento na íntegra clicando aqui, e veja como a Kristal superou todas as dificuldades do ínicio da amamentação, sua volta ao trabalho e tudo.

Você também quer compartilhar seu história de amamentação conosco? Mande-nos seu relato no email grupomatrice@gmail.com, com fotos, se desejar.


Doação de leite humano Brasilia – ajuda

11 maio 2009

 camila pitanga

Banco de Leite chama a atenção no HRT

(08/05/2009 – 16:32)

Fotos: Renato Araújo – SES/DF

O leite materno, alimento essencial para o bebê, especialmente quando é prematuro, é um produto que salva vidas no Hospital Regional de Taguatinga. Com 14 litros diários, o Banco de Leite (BLH) abastece a UTI Neonatal, UTI Pediátrica, o PS  e as enfermarias de lactentes e alojamento conjunto.

A importância do produto é tão grande, que 1 ou 2 ml correspondem a uma refeição para um prematuro ou um bebê com baixo peso da UTI Neonatal, que chega a ter pacientes com peso próximo a 600g ou até menos. Entre os bebês de gestação normal, os pequenos recebem 10 a 15 ml, várias vezes ao dia.

O trabalho somente é possível graças à  boa vontade das mães doadoras, que por meio das coletas domiciliares fornecem 90% do leite consumido. Mais do que colaboradoras eventuais, as mães nutrizes são captadas às vezes, ainda, durante o pré-natal, com objetivo de que se tornem, posteriormente, um dos alicerces do Centro de Referência em Banco de Leite Humano do DF.

Mas a sensibilização dessas doadoras só ocorre graças ao trabalho dos profissionais do BLH,  que empenham-se em  convencer a futura doadora e ensinar-lhe como proceder para que o leite retirado não seja contaminado e, consequentemente, descartado. “É um trabalho de formiguinha, feito diariamente, ainda na maternidade”, explica a supervisora Maria das Graças Rodrigues.

Antes de chegar ao bebê, o caminho é longo e precisa ser cuidadosamente analisado, para que nada se perca. Primeiro, a mãe doadora é ensinada a retirar e armazenar o leite de acordo com as normas de higiene. Depois, o alimento é levado ao congelador doméstico  em vidros esterilizados, de onde é retirado por uma equipe do Corpo de Bombeiros, até o hospital.

Transportado em caixas isotérmicas, o leite é levado a um freezer do Banco de Leite destinado ao produto ainda cru. Após sair dessa etapa, o produto é descongelado em banho Maria , quando é feita uma análise para detecção de algum material contaminado (pelos, fios de cabelo etc.) Também nesse momento, os técnicos avaliam a cor, cheiro e característica física.

Numa segunda etapa, é feito o teste de acidez, o qual o leite deve estar inserido dentro do padrão Dornic até 8°. Uma vez dentro do estipulado, o produto vai para a pasteurização, onde fica 30 minutos a uma temperatura próxima a 62° C e imediatamente após é resfriado. Terminado esse processo, outro teste é necessário, quando é feito o controle microbiológico.

Uma vez aprovado, o leite é novamente congelado e passa a fazer parte do estoque do BLH. Todo o trabalho, desde a busca na casa da doadora, até o estoque, envolve 30 pessoas treinadas e capacitadas.

“O nosso objetivo não é só a obtenção do leite em si – explica a nutricionista Cléia Cecília Pereira -. Precisamos formar profissionais, em todos os níveis, que tenham a visão de que a amamentação é tudo e que não podemos relaxar nessa tarefa de orientar as mães, ainda no alojamento conjunto”, acrescenta.

Além das mães nutrizes, qualquer pessoa também pode auxiliar o Banco de Leite com a doação de vidros com tampa plástica que podem ser usados no armazenamento. Em Taguatinga, basta ligar para os telefones 3353 1017 ou 3352 6900, e uma pessoa da equipe busca o material na casa do doador.

Arielce Haine – SES/DF


 Banco de Leite do HRT precisa de leite materno
Estoque está baixo e pode prejudicar bebês internados

 A equipe do Banco de Leite Humano do Hospital Regional de Taguatinga (BLH/HRT) pede às mães que têm excesso de leite que façam doação, pois o estoque do hospital está baixo e pode prejudicar o atendimento a bebês prematuros internados no HRT e em outras unidades da rede.

Para doar basta ligar no 3352-6900 ou 3353-1017. A mãe receberá orientações quanto a coleta e armazenamento do leite e uma equipe do Corpo de Bombeiros ir buscar na casa da doadora.

A coordenador do BLH/HRT, Sândi Sato, informa que toda mulher saudável pode fazer doação de leite materno e que não há leite fraco. “Qualquer excedente de leite é bem vindo, pois temos no berçário bebês que tomam 10ml de leite, então qualquer quantidade que a mãe poder doar será útil e alimentará crianças que ainda não podem sulcar o leite da própria mãe”, diz a coordenadora.

 Regina Gomes – SES/DF


FELIZ DIA DAS MAES

10 maio 2009

maes

“Peitos fartos, filhos fortes

Sonho semeando o mundo real

 Toda gente cabe lá

Palestina, Shangri-lá”

Composição: Marisa Monte, Pedro Baby, Carlinhos Brown e Arnaldo Antunes

Para nós estes versos são muito significativos. Pois o trabalho da Matrice é semear o para um mundo  um mundo real onde caibam mais peitos fartos e filhos fortes. Desejamos de coração e de  peito um FELIZ DIA DAS MAES a todas. E não se esquecam que amamentar é também dar o peito.

Também aproveitamos a oportunidade para convidá-las a participar do sorteio de dia das mães do blog das mamíferas. Hoje especialmente elas estão sorteando um amarradinho da Matrice. Corram lá e participem!

imagem aqui

 


Amamentação Recomendada para Proteger Bebês durante Surto de Gripe Suína

8 maio 2009

 peito-e-bb

Amamentação Recomendada para Proteger Bebês durante Surto de Gripe Suína

Pelo United States Breastfeeding Committee

 

(HealthNewsDigest.com) – Washington, DC – Enquanto o país monitora o aumento do surto de “gripe suína,” o United States Breastfeeding Committee (USBC) recomenda o aleitamento materno como estratégia importante para evitar infecção. O Centers for Disease Control and Prevention (CDC) distribuiu orientações atualizadas hoje sobre considerações da gripe suína ( H1N1), relativas à gestação e ao aleitamento materno, dizendo:  “Os bebês não amamentados estão especialmente vulneráveis a infecções e hospitalização por doença respiratória severa. Mulheres que dão bebês à luz devem ser estimuladas a iniciar cedo o aleitamento e a alimentar os filhos com frequência.”

Especialistas médicos concordam com o  U.S. Department of Health and Human Services que recomenda o aleitamento exclusivo por seis meses e sua manutenção durante o primeiro ano de vida e além. A presidente do USBC,  Joan Younger Meek, MD MS, RD, FAAP, FABM, IBCLC, afirma a importância da amamentação em situações de emergência: “Pesquisas mostram, sem dúvida, que a amamentação é uma fonte segura e confiável de alimento, com uma infinidade de células e anticorpos que combatem totalmente as doenças, ajudando a proteger os bebês contra germes e enfermidades. Mães expostas à gripe produzem proteção específica aos filhos, transmitindo-as aos bebês através de seu leite. As formulas preparadas não oferecem essas propriedades específicas de combate a infecções. A suplementação desnecessária com fórmula deve ser eliminada, para que o bebê possa receber o máximo possível de anticorpos protetores maternos e outros fatores protetores imunológicos.”

As mulheres podem continuar a amamentar enquanto recebem medicamentos antivirais. A orientação do  CDC recomenda que, se a mulher adoecer, deverá manter o aleitamento e aumentar a frequência das mamadas. Se a mãe ou o bebê estiver tão doente a ponto de ter dificuldades para alimentar ou ser alimentado diretamente no seio, ela deve ser estimulada a retirar o leite com a bombinha para dá-lo à criança. Em algumas situações, os bebês podem conseguir usar leite humano doado de bancos de leite certificados pela Human Milk Banking Association of North America.

O CDC informa que o risco de a gripe H1N1 (suína) ser transmitida pelo leite materno ainda é desconhecido e que relatos de gripes sasonais transmitidas através dele são raros. Além disso, quando a mãe começa a mostrar sintomas de gripe, o bebê está também exposto a eles. O leite da mãe pode oferecer proteção adicional ao bebê contra complicações da gripe, como sintomas respiratórios severos, diarreia, outras infecções gastrointestinais e desidratação.
Além de manter o aleitamento materno, pais e cuidadores ajudam a proteger o bebê contra disseminação de germes, quando:

Adultos e bebês tiverem as mãos lavadas, com freqüência, com sabão e água, em especial, após os bebês colocarem as mãos na boca.
Mães e bebês forem mantidos próximos o mais possível e encorajados, bem cedo e com frequência, a terem contato pela pele.
Houver limites de partihamento de brinquedos e outros itens que tenham passado pela boca do bebê, com a lavagem completa das mãos, usando sabão e água, e dos objetos. Chupetas (inclusive o prendedor da chupeta e a alça) e outros itens forem mantidos afastados da boca dos adultos ou de outros bebês antes de serem dados ao seu bebê .Tiverem nariz e boca cobertos ao tossir ou espirrar.

Mais informações sobre a gripe suína podem ser obtidas no site do CDC (H1N1 Flu Web site). Outras informações sobre amamentação podem ser obtidas através do The National Women’s Health Information Center. Médicos e outros provedores de atendimento de saúde estão habilitados a oferecer ajuda e responder a perguntas sobre amamentação e profissionais de apoio e especialistas em amamentação podem ser localizados através da International Lactation Consultant Association, do programa USDA Food and Nutrition Service Women, Infants and Children (WIC) Program, e da  La Leche League International.

O USBC organiza as organizações. Suas opiniões não refletem, necessariamente, as de todos os membros da organização e as opiniões manifestadas pelos representantes dos membros do  USBC também não refletem, necessariamente, o que pensa esse centro.

United States Breastfeeding Committee (USBC) – Comitê de Aleitamento Materno dos Estados Unidos
O United States Breastfeeding Committee (USBC) é uma coalisão independente e sem fins lucrativos de 41 organizações profissionais, educacionais e governamentais influentes, Representando mais de meio milhão de profissionais preocupados e famílias atendidas, o USBC e as organizações filiadas têm a mesma missão de melhorar a saúde do país através do trabalho conjunto de proteção, promoção e apoio ao aleitamento materno. Mais informações sobre esse centro podem ser obtidas em  www.usbreastfeeding.org.

www.HealthNewsDigest.com

(tradução Regina Garcez ) – nossos agradecimentos!


Uma mamãe, duas filhas e um sling by hollywoodiano

7 maio 2009

jennifer-garner

 Sem desgrudar da caçula Seraphina, Jennifer Garner empurrou a filha Violet no balanço

Queria dividir com vcs essa foto.  Achei de uma delicadeza. O sling dela é lindo e as duas meninas estão bem felizes, uma no peito e a outra no balanço e ambas com a mãe. Ambas tendo seus momentos de felicidade com a mãe e cada uma com a sua necessidade real. 

A mais velha descobrindo o mundo bem fora, arrsicando-se  balançando o mais alto que ela pode. E  a outra fora da barriga, mas ainda bem dentro da mãe, esta ali no peito (mamando ou nao) sentindo o pulsar da mãe ainda ! Uma a poucos metros da outra.

Em um dia ensolarado de outono em São Paulo que nos inpiremos nesta bela foto e paremos um minuto para olhar para a vida, simples assim!

imagem aqui


e viva bebês amamentados

6 maio 2009

carlita

Essa foto é da Carlinha, que mora em Curitiba. Mãe de três lindas meninas.  A maior, que na verdade é a filha dela do meio que esta  sentada ao seu lado amamentando a boneca, é a Marina, E a linda bebê que está mamando, é a Isabela. Pois é, nesta familia a amamentação se perpetuará!

Gostou? Tem fotos lindas assim? Mande para a gente, conte sua hisória. email: grupomatrice@gmail.com